sábado, 3 de outubro de 2009

Espera



Quando cheguei tão perto, a luz dos teus olhos brilharam tanto que ofuscaram as portas que davam pra rua, e nelas pude ver a distancia que há entre o sonho e os teus braços. Pude ver também que esperar nada mais é que viver um constante suspiro de medo de não chegar.


E foi então que tudo quis acontecer em meu coração e aconteceu; apaixonei-me mais uma vez, deve ser meu amor de número 1001 e milionésima batida do meu coração por alguém que nem sabe quais ventos tiram as mechas do meu rosto.


O som de uma nova canção embala a vontade de mudar e esquecer as esquinas que dobram minha consciência, mais o que realmente faz a diferença são aquelas águas passadas que não sei quem disse não moverem moinhos... Possa as águas passadas não mover moinhos, mas tenho a plena certeza que elas exercem uma grande força que levanta meus cadáveres, minhas lembranças mortas, meus contos e cantos e me fazem ter vontade de voltar.

Um comentário:

Carlos disse...

- PERFEITO O TEXTO, como todos .. sou fã do Marçasl Dorneles, suas produções são reais, e isso me faz o interesse de ler todas,


PARABÉNS MARÇAL. ;D